SORRISO

PRÉMIO PÚBLICO - VIATHEA 2018, ALEMANHA


Como se escreverá uma história de amor, de um amor que perdura no tempo, preenche uma vida até ao seu crepúsculo e que nunca acabará para aquele que ainda guarda o passado?

Esta história de amor não se inspira a partir da morte heróica de Romeu e Julieta, mas sim na vida comum de um velho casal para quem o amor se consumou numa vida de sorrisos.
A morte de um assombra de solidão a vida do outro. Uma solidão cuja força das lembranças dá vida a fantasmas que não desistem de amar os que ficam, zelosos anjos de guarda, invisíveis amantes cujos beijos são feitos de vento. Aquele que partiu é agora invisível, porém a sua alma abençoa e habita o ar de quem o amou, aguarda o reencontro sabendo que a vida continua para quem fica.

A solidão e o envelhecimento é um tema recorrente nas peças do “teatro só”, porém as personagens não são tocadas pelo desespero, mas pela reflexão dos gestos e pela gratidão da memória. Não há melhor palavra para definir este trabalho do que a palavra “recordação”, cuja origem francesa “re- cour” significa simplesmente re-cordação, ou seja, fazer passar pelo coração uma vez mais. TEATRO SÓ

Ficha Técnica
Três artistas em Tourné

Direção artistica: Sérgio Fernandes
Actores: Ana Gabriel, Sérgio Fernandes
Encenação: Criação Colectiva
Compositor: Ferdinand Breil
Musicos: Alexandre Barata, Merielou Jacquard, Pedro Rufino
Mascaras: Nuno Pino Custodio
Guarda-roupa: Ana Baleia
Cenário: Eddie Dorner und Luis Santos
Tecnica: Spiros Paterakis
Video: André Rodrigues
Foto: Miguel Proença
Texto: Ivo do Carmo


Duração do espectáculo: 30 Minutos
Publico: 300 pessoas – frontal
Espaço de actuação: 8m X 8 m
Camarim perto do local de actuação

Tecnica:
1 PA mit Stereo Input (Cinch oder Klinke)
Electricidade para computador
Soundcheck: 2 antes do inicio do espectáculo



Solicite mais informações - info@teatro-so.com